Título Notícias Humanitas

null Por que a economia brasileira está estagnada?

Publicado Por: Carlos Pinheiro Vieira

Por Elton Vitoriano Ribeiro SJ (*)

No dia 22 de Junho, o Grupo de Análise de Conjuntura da CNBB Padre Thierry Linard, publicou no site da CNBB (www.cnbb.org.br/analisedeconjuntura/) o texto: “Por que a economia brasileira está estagnada, apesar de nossas imensas potencialidades?” A análise é uma excelente aula de economia política e realidade brasileira que, partindo da situação econômica brasileira atual, analisa, passo-a-passo, os limites e as possibilidades presentes no nosso atual modelo econômico. Ao longo do texto fica claro a profunda inquietação que move a reflexão do grupo sobre o caráter paradoxal do Brasil, é um país de abundância onde parte da população vive em meio a uma situação de escassez e miséria.

O texto começa apresentando várias e contundentes inquietações: sobre nossa economia, sobre nossa indústria, sobre nossa política econômica, sobre os faturamentos dos bancos, sobre o crescimento do agronegócio, sobre os preços dos combustíveis, sobre nosso sistema tributário, sobre o trabalho e o desemprego, sobre a insegurança alimentar. O rol de questões é grande, e todas são muito bem analisadas a partir de dados socioeconômicos e de um viés crítico-construtivo. Aqui, vale ressaltar alguns aspectos para incentivar a leitura da análise. Aprende-se muito em leituras como essa.

Um dos pontos elucidativos do documento são os eixos a partir dos quais o sistema econômico brasileiro se estrutura. Por exemplo, temos um modelo tributário onde a maior parte da carga tributária está concentrada no consumo. Isso faz com que os pobres, proporcionalmente, paguem mais tributos do que os ricos. São esses tributos que vão, basicamente, financiar o Estado, juntamente com os tributos da classe trabalhadora e dos pequenos negócios. Assim, a carga tributária nacional é pesada para os mais pobres, que por sua vez, recebem pouco em investimentos nas áreas sociais prioritárias como moradia, educação, saúde e transporte público; e em políticas públicas afirmativas de transformação social a longo prazo. Consequência lógica: aprofundamento do fosso social, tornado o Brasil um dos países mais desiguais do mundo.

Outro tema bem estudado no documento é a análise do processo de financeirização mundial que vem crescendo desde a década de 90, os processos acelerados de desindustrialização do Brasil e o aumento do desemprego. O Brasil, como todos os países de economia moderna e globalizada, vem sofrendo um processo de mudança econômica da esfera produtiva para a esfera financeira. Essa dinâmica gerou um processo de desindustrialização acelerado. Na dificuldade de acompanhar o novo padrão industrial mundial, o Brasil concentrou-se na venda de commodities (produtos básicos globais não industrializados, ou seja, matéria prima), especialmente no agronegócio e na mineração.

A desindustrialização tem gerado um atraso tecnológico nocivo para o país, um baixo crescimento de empregos formais (que são gerados pelas indústrias, além da área de comércio e serviços que giram ao redor delas), e estagnado a demanda educacional por formação de qualidade e alto nível que, novamente, as novas industrias demandam. Consequência: geração de poucos empregos e mal remunerados. Temos, hoje, 11,9 milhões de desempregado, 4,6 milhões de desalentados (pessoas que desistiram de procurar emprego) e 37,8 milhões de pessoas em atividades informais. Curioso notar que em todo esse processo, quatro bancos brasileiros estão entre os dez bancos mais rentáveis do mundo: Santander, Itaú Unibanco, Banco do Brasil e Bradesco.

Muitos outros temas importantes estão presentes no documento: a questão da política monetária praticada pelo Banco Central, o endividamento público, a exploração predatória do mercado financeiro, a ausência de políticas públicas em áreas de importância social, os índices de desenvolvimento econômico, a questão dos combustíveis (especialmente, gasolina, diesel e gás de cozinha), e a degradação ambiental produzida pelo grande agronegócio e a mineração irresponsável.

Qual saída o documento aponta? A análise do documento finaliza apontando saídas, tópicos para a reflexão e para a ação, especialmente, na dimensão de uma política e de uma economia política preocupada em retomar o processo de crescimento e desenvolvimento econômico, alicerçado na justiça socioambiental. As mudanças das estruturas sociais, políticas e econômicas são fundamentais para um novo modelo de economia. No caso do documento, uma economia inspirada nas provocação do Papa Francisco com a chamada Economia de Francisco e Clara. Economia atenta a uma saudável transição ecológica no modelo de produção. Economia fomentadora de políticas públicas que incentive iniciativas de economias solidárias, e que garanta às famílias e a todas as pessoas, condições dignas de vida e cidadania plena. O documento termina com as seguintes palavras: “É necessário tirar o Brasil do inaceitável cenário de escassez e descaso para com o ambiente, para que a realidade de abundância, que de fato existe em nosso país, esteja presente na vida de todas as pessoas, com respeito à Natureza”. Ou seja: é preciso re-animar a economia brasileira!

(*) Elton Vitoriano Ribeiro SJ é professor e pesquisador no departamento de Filosofia e reitor da FAJE

Visualizações:
140
Compartilhar

Título Notícias Humanitas

Publicador de Conteúdos e Mídias

50_mais.jpeg

Programa de atenção às pessoas 50+

Programação do curso   HISTÓRIA DOS CUIDADOS PALIATIVOS NO MUNDO E NO BRASIL Data: 30/08/2022 Horário: 19h às 20h Maria das Graças Mota C. de...

Programação do curso   HISTÓRIA DOS CUIDADOS PALIATIVOS NO MUNDO E NO BRASIL Data: 30/08/2022 Horário:...

sai_agosto.png

Momento Gerontológico: Convivência Social e Lazer para a pessoa idosa

Palestrantes Rosilei Montenegro (Turismóloga  Especialista em Gerontologia pela UNICAP, Doutoranda em Educação pela Universidade Nacional de...

Palestrantes Rosilei Montenegro (Turismóloga  Especialista em Gerontologia pela UNICAP, Doutoranda em...

WhatsApp Image 2022-07-21 at 15.45.11.jpeg

Peregrinação em cidades da Arquidiocese de Olinda e Recife reflete o tema do Congresso...

Três grupos de peregrinos caminharam, no último domingo (30),  por várias cidades da Arquidiocese de Olinda e Recife. A peregrinação é promovida pelo...

Três grupos de peregrinos caminharam, no último domingo (30),  por várias cidades da Arquidiocese de Olinda e...

eolica_energia.jpg

Territórios livres dos complexos eólicos

O crescimento de grandes complexos eólicos no país, em particular no Nordeste, tem aumentado vertiginosamente nos últimos anos, principalmente devido à...

O crescimento de grandes complexos eólicos no país, em particular no Nordeste, tem aumentado vertiginosamente nos...