Publicado Por: Francisco Ribeiro

O  Comitê  Intersetorial  de  Políticas  para  População  em  Situação  de  Rua  de  Pernambuco,  que entre  seus  objetivos  tem  a  responsabilidade  de  avaliar  e  monitorar  as  ações,  programas,  projetos e  serviços  voltados  a  garantia  dos  direitos  das  pessoas  em  situação  de  rua  no  Estado  de Pernambuco;  e  as  organizações  de  defesa  dos  direitos  da  população  em  situação  de  rua  abaixo descritas,  diante  das  notícias  da  ação  promovida  pela  prefeitura  da  cidade  do  Recife  de  remoção forçada  dos  pertences  das  pessoas  em  situação  de  rua,  veem  a  público  externar  nosso  repúdio frente  ao  flagrante  ato  de  violação  de  direitos  humanos  das  50  famílias  que  faziam  da  Rua  do Imperador sua  espaço  de  dormida  e  sobrevivência.

Em matéria  difundida  pela  Rede  Globo  Nordeste  a  partir de  seus programas  NE  1,  às 12h39  e  NE 2,  às  19h14,  na  sexta,  dia  11  desse  mês,  os  cidadãos  pernambucanos  puderam  ver  o  impacto  da ação  desastrosa  promovida  pela  Dircon  (Diretoria  Executiva  de  Controle  Urbano),  com  o  apoio  da Guarda  Municipal,  Corpo  de  Bombeiros e  Polícia  Militar,  na  qual,  50  famílias  que  dormiam  na  Rua do  Imperador  no  Centro  do  Recife,  foram  abruptamente  acordadas  com  a  retirada  das  lonas  dos seus  barracos  improvisados,  colchões  e  outros  pertences.  Como  confirma  a  fala  da  gestante  em situação  de  rua  Larissa  Vieira  “Foi  um  desespero.  Eu  estava  dormindo  com  meus  filhos,  acordei assustada,  fiquei passando  mal aí”.

Na  mesma  matéria,  a  Prefeitura  informa  que  tem  100  vagas  disponíveis  no  acolhimento institucional  e  que  ofertou  auxilio  aluguel,  mas  reconhece  que  dormem  nas  ruas  da  cidade  cerca 1.600  pessoas  e  revela  que  o  benefício  para  garantir  moradia  digna  é  no  valor  de  R$200,00.  Fica evidente  que  com  esse  valor  não  é  possível  alugar  uma  moradia  e  não  existem  vagas  suficientes no  acolhimento  institucional para a  demanda  de  pessoas  em  situação  de  rua  na  cidade.

A  medida  adotada  de  forma  desarticulada  com  os  serviços  de  cuidado  a  população  em  situação de  rua  além  de  não  resolver  a  questão,  amplia  a  vulnerabilidade  dessas  famílias  que  agora  irão continuar  dormindo  na  rua,  mas  sem  colchão,  sem  a  mínima  proteção  contra  a  chuva  e  sem  seus poucos  pertences.  A  história  mostra  claramente  como  essas  ações  autoritárias  e  violentas, atentam  contra  a  dignidade,  violam  direitos  básicos,  criminalizam  a  pobreza  e  transformam  em caso  de  polícia  uma  crônica  demanda  por  políticas  sociais  que  garantam  direitos  básicos  para essa  parcela  da  população.

Para  legitimar  esse  ato  absurdo,  a  prefeitura  informou  que  tomou  como  base  legal  as  leis  de acessibilidade  e  de  uso  e  ocupação  do  solo.  Indo  contra  o  Plano  Diretor  da  Cidade  (17.518/2008) em  vigência,  lei que  orienta  todo  ordenamento  urbano  e  congrega  todas as leis citadas,  contrariou o  decreto  nacional  (7.053/2009)  que  instituiu  a  Política  Nacional  para  a  População  em  Situação de  Rua,  a  Resolução  do  CNDH (40/2020) que  dispõe  sobre as  diretrizes para promoção,  proteção e  defesa  dos direitos humanos das pessoas  em  situação  de  rua,  além  da  Constituição  Federal e  a Convenção  Internacional dos Direitos Humanos que  o  Brasil é  signatário.

Coibir  essas  práticas  é  uma  responsabilidade  urgente  do  sistema  de  justiça,  que  deve  ser provocado  pelos  órgãos  de  defesa  dos  direitos  humanos,  pois  o  não  enfrentamento  a  esse  tipo cruel  de  política  pública,  acaba  sendo  reproduzido  em  vários  outros  municípios.  Aproveitamos para  informar  que  o  Comitê  encaminhou  uma  notícia  crime  ao  Ministério  Público  e  conclamamos esse  órgão,  importante  instrumento  para  a  defesa  das  pessoas  em  situação  de  rua  da  cidade  do Recife,  a  promover o  devido  ajustamento  de  conduta  da  referida  Prefeitura.

Com  essa  ação  a  atual  gestão  contradiz  e  mancha  o  conjunto  de  esforços  por  nós  reconhecidos nos  últimos  anos,  em  favor  da  população  em  situação  de  rua  no  Recife,  como:  a  criação  e manutenção  dos  restaurantes  populares,  ampliação  das  equipes  de  abordagem  social,  o funcionamento  dos  consultórios  de  rua  e  na  rua,  a  aprovação  da  lei  18.503/2018  que  criou  o Comitê  Municipal  Intersetorial  de  Acompanhamento  e  Monitoramento  da  Política  para  a População  em  Situação  de  Rua,  além  do  esforço  em  elaborar  a  política  municipal  de  forma articulada.

Defendemos  que  a  força  do  Estado  seja  usada  para  mobilizar,  proteger,  cuidar  e  garantir condições  dignas  para  todos  e  todas,  em  especial  para  os  que  mais  precisam,  e  não  para  oprimir aqueles  que  sobrevivem  em  permanente  processo  de  vulnerabilidade  e  risco.  A  vida  da população  em  situação  de  rua  importa!

Recife,  15  de  dezembro  de  2020.

Comitê  Intersetorial  de  Políticas para  População  em  Situação  de  Rua  de  Pernambuco
Conselho  Estadual de  Direitos Humanos  de  Pernambuco
Conselho  Municipal  de  Políticas sobre  Drogas do  Recife
Movimento  Nacional  de  População  de  Rua  - Pernambuco
Movimento  Nacional  de  Meninos  e  Meninas  de  Rua  de  Pernambuco
Pastoral  do  Povo  da  Rua  –  Pernambuco
Grupo  Ruas e  Praças Mandato  Vereador Ivan  Moraes 

Gostei.
Compartilhar