Título Notícias Humanitas

null Jesuítas lançam ‘Grito pela Vida na Amazônia’

Publicado Por: José Maria

Fonte:  jesuitasbrasil.org.br <Publicado em 8 de junho de 2021>

O Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado no último 5 de junho, passou. Mas, o lamento e a indignação pela forma com que a agenda ambiental brasileira tem sido negligenciada por suas autoridades, não. Diante disso, a Preferência Apostólica Amazônia da Província dos Jesuítas do Brasil, por meio de suas obras e presenças apostólicas, vem a público alertar a população e seus governos sobre os impactos e perigos desta negligência e falta de cuidados com a nossa Casa Comum e seus habitantes, sobretudo aqueles que ferem o território amazônico.

Vale lembrar que o Dia Mundial do Meio Ambiente foi recomendado pela Organização das Nações Unidas (ONU) no ano de 1972, na Conferência de Estocolmo – reunião marco na tentativa de melhorar as relações do homem com o planeta. A ideia foi chamar a atenção das pessoas e dos governos sobre as questões ambientais e cuidados necessários para preservar os recursos naturais. Diante disso, é dever de todos potencializar uma cultura de cuidado para um desenvolvimento sustentável e integral e isso ultrapassa uma data, se torna atitude contínua.

Por isso, lamentamos e nos indignamos pela forma com que a agenda ambiental brasileira tem sido negligenciada por suas autoridades. Nos últimos anos, observamos o agravamento da devastação do meio ambiente provocado pelo aumento dos incêndios, garimpo ilegal, desmatamentos e grilagem de terras em algumas partes do País, mas, sobretudo, na Amazônia brasileira.

O desmonte de órgãos ambientais em conjunto com a flexibilização das políticas de controle do desmatamento e do fogo, facilitam o avanço das grandes corporações empresariais transnacionais do agronegócio e da mineração sobre áreas preservadas e ameaçam os modos de vida dos povos indígenas, quilombolas e comunidades tradicionais. Diante dos absurdos praticados pela atual política ambiental, manifestamos o nosso veemente repúdio e destacamos:

O aumento do desmatamento e dos incêndios é reflexo do desmonte de órgãos ambientais em conjunto com a flexibilização das políticas de controle do desmatamento e do fogo. Como parte da implementação desse desmonte, o orçamento do Ministério do Meio Ambiente (MMA) praticamente desapareceu. Apesar do aumento do desmatamento e dos incêndios florestais, o governo propôs para o ano de 2021 o orçamento mais baixo dos últimos 21 anos para o ministério. O Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2021 (PL 28/2020) encaminhado pelo atual governo ao Congresso previu 1,72 bilhões, com 88% do orçamento discricionário comprometido com gastos administrativos1;
De acordo com o presidente do Instituto Chico Mendes (ICMBio), por ausência de recursos será necessário suspender os serviços e operações para fiscalização, prevenção e combate a incêndios2. A omissão ou mesmo a ação deliberada do Estado brasileiro com a não realização de ações voltadas para o combate aos incêndios pode favorecer uma nova onda de incêndios em 2022, colocando em risco os territórios e recursos naturais que constituem a base para a garantia do direito à vida e a reprodução socioeconômica de diversos povos indígenas e comunidades tradicionais, principalmente considerando o contexto da pandemia que tem impactado de forma mais intensa e agravante a vida destes povos;
O Estado brasileiro tem desestruturado instituições públicas como a Fundação Nacional do Índio (Funai) e o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), paralisando os processos de demarcação dos territórios tradicionais e reforma agrária, categorias fundiárias das mais protetivas social e ambientalmente, que poderia gerar diminuição da pobreza, desigualdades sociais e a proteção ambiental para as presentes e futuras gerações;
As investigações autorizadas pela Polícia Federal contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, junto com outros funcionários públicos – suspeitos de envolvimento num esquema que facilitou a exportação ilegal de madeira para países da Europa e dos Estados Unidos3, e outra recente autorizada pela ministra Cármem Lúcia, descredenciam as ações do governo federal na agenda ambiental;
O lançamento da política de aluguel de unidades de conservação com o decreto nº 10.623 de 9 fevereiro de 2021, ‘Adote um parque’, onde grandes empresas têm se mostrado interessadas4. O documento não traz com clareza os mecanismos de execução, de gerência orçamentária dos parques, aponta um insuficiente monitoramento e ainda o decreto não esclarece se haverá distinções de adoção das UC’s de proteção integral e de uso sustentável – onde há comunidades tradicionais. Além de tudo isso, o ICMBio aparece como órgão gestor, porém no contexto da agenda ambiental do Ministério do Meio Ambiente há um Grupo de trabalho que discute a possível fusão do órgão com o IBAMA o que torna todo o processo pouco transparente;
A omissão do Estado frente às graves violações dos direitos humanos a que estão sujeitos os povos Yanomami e Munduruku, resultado de atividades realizadas em seus territórios principalmente por garimpeiros ilegais, madeireiros e agronegócios;5
A entrega dos territórios da Amazônia aos projetos do agronegócio, das mineradoras e das hidrelétricas, e do favorecimento deste tipo de empreendimento, sem políticas públicas de promoção e proteção da agricultura familiar, da pesca artesanal e do extrativismo das unidades de conservação.
Como podemos notar, é urgente a promoção de políticas públicas de proteção integral da Amazônia, de combate ao desmatamento e às queimadas e do cuidado com toda a biodiversidade. Expressamos a nossa solidariedade aos movimentos, organizações sociais e poderes públicos que seguem em frente na resistência, na sabedoria ancestral dos povos e comunidades tradicionais e na defesa do meio ambiente ecologicamente equilibrado, definido como bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida das presentes e futuras gerações.

Manifestamos o nosso pedido público por justiça contra aqueles que estão violando as leis e atentando contra a convivência pacífica no Brasil: garimpeiros, grileiros, empreendedores ilegais e todos que acobertam as práticas criminosas de espoliação do meio ambiente, da Amazônia. Manifestamos também o pedido público pela suspensão imediata da tramitação do Projeto de Lei nº 2.633/2020 que trata sobre a regularização fundiária e ameaça a vida de povos, comunidades tradicionais e a preservação da biodiversidade. Pois, se aprovado, esse projeto vai acirrar ainda mais os conflitos socioambientais e a violência no campo, além de não promover a distribuição justa da terra e a preservação integral do meio ambiente.

A oportunidade também é de reafirmar o nosso compromisso de seguir denunciando as práticas ilícitas e as posturas antiéticas e de falso cristianismo que tratam de perverter os valores autênticos da convivência social e da fé religiosa. Temos a Amazônia como uma eleição peculiar em nossa missão evangelizadora no País e a história sociopolítica da região com as causas de desigualdades sociais e persistentes atividades predatórias da natureza que afetam a fauna e a flora nos indignam, pois atingem diretamente os povos da floresta. Desta forma também, reiteramos o nosso apoio incondicional aos povos indígenas e populações tradicionais do Brasil e seu direito à vida e “vida em abundância” (Jo 10,10).

1 https://www.oc.eco.br/orcamento-meio-ambiente-e-o-menor-em-21-anos/ 

2 ICMBio fica sem recursos para atividades básicas e pode paralisar de vez – Sustentabilidade – Estadão  (estadao.com.br)

3 https://agroefogo.org.br/blog/2021/05/19/ricardo-salles-o-que-se-sabe-sobre-denuncia-contra-ministro-que-gerou-busca-e-apreensao-da-pf/ 

4 https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/decreto-n-10.623-de-9-de-fevereiro-de-2021-302915383 

5 https://cimi.org.br/2021/05/cidh-escritorio-regional-alto-comissariado-onu-cobram-brasil-protecao-integral-povos-yanomami-munduruku/ 

Manaus (AM), 8 de junho de 2021.

Gostei.
Compartilhar

Título Notícias Humanitas

Publicador de Conteúdos e Mídias

refugiado_live.jpeg

Live: O papel da universidade na questão da migração e refúgio

O Dia Mundial do Refugiado será celebrado no próximo 20 de junho e o Instituto Humanitas Unicap e o GT Migração e Refúgio da Unicap, em parceria com Cáritas...

O Dia Mundial do Refugiado será celebrado no próximo 20 de junho e o Instituto Humanitas Unicap e o GT Migração e...

luz.jpg

O que o governo não fez (e não fará) para evitar o racionamento de energia?

Em recente “comunicado” na página do Instituto de Desenvolvimento Estratégico do Setor Elétrico – Ilumina –, o profundo conhecedor do setor, Roberto Pereira...

Em recente “comunicado” na página do Instituto de Desenvolvimento Estratégico do Setor Elétrico – Ilumina –, o...