Título Notícias Humanitas

null Decifre sua conta de energia elétrica e garanta seus direitos 

Publicado Por: José Maria

Para a grande maioria dos consumidores de energia elétrica, as informações contidas na fatura recebida mensalmente são um verdadeiro mistério. O que conta para o consumidor é o campo onde mostra o total a pagar, em reais.

Muitas publicações dedicam a explicar como é a composição da conta de energia e os tributos e encargos a pagar. A cadeia produtiva da energia é separada em três etapas: a geração de energia, a transmissão dessa energia até os grandes centros consumidores, e por último, a distribuição da energia até chegar ao consumidor final (residenciais, estabelecimentos comerciais, indústrias e áreas rurais). Todas estas fases são consideradas na composição da tarifa, além das perdas de energia, encargos setoriais e os tributos (ICMS, PIS, Confins). Tudo está mostrado diretamente na conta, além de disponibilizar dados sobre o consumo mensal, em kWh, e o histórico retroativo mensal do consumo. Portanto, na conta estão embutidos valores totais que são arrecadados pela distribuidora, e repassados diretamente às empresas responsáveis, além dos tributos recolhidos e encargos. 

Todavia existe um campo na fatura que é praticamente desconhecido pelos consumidores, mas que tem grande relevância, pois possibilita averiguar a qualidade e continuidade dos serviços oferecidos pela distribuidora, no que concerne à frequência e à interrupção do fornecimento de energia pela empresa.

Os indicadores individuais de continuidade por unidade consumidora que averiguam a qualidade do serviço prestado pela concessionária, disponíveis na conta de energia, são: DIC- Duração de Interrupção, FIC- Frequência de Interrupção, e DMIC- Duração máxima de interrupção contínua. Estes indicadores permitem medir a duração e o número de vezes que cada unidade consumidora ficou sem energia elétrica num dado período, e o tempo máximo da interrupção de energia elétrica (em horas). As resoluções da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), para cada concessionária, é que estabelecem os limites dos indicadores DIC, FIC e DMIC. Estes indicadores são mostrados na fatura para períodos mensal, trimestral e anual; assim como o valor apurado pela própria empresa.

Quando os indicadores apurados ultrapassam os limites de continuidade estabelecidos pela ANEEL, a distribuidora deve compensar financeiramente o consumidor. A compensação é automática, e deve ser paga em até 2 meses após o mês em que houve a interrupção. Este é um ponto crucial na defesa dos interesses do consumidor perante a concessionária. Todavia a transgressão da empresa é algo difícil de ser contestado, e mais difícil ainda a compensação financeira obtida pelo consumidor.

Existem outros indicadores (não mostrados na fatura, no caso da Neoenergia Pernambuco, ex-Celpe), como o DEC- Duração Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora, e o FEC- Frequência Equivalente de Interrupção por Unidade Consumidora, que permitem anualmente a publicação pela Aneel, para cada distribuidora, do DGC- Indicador de Desempenho Global de Continuidade. Assim é possível comparar o desempenho entre as grandes distribuidoras.

A título de exemplo, é apresentado o DGC, da Neoenergia Pernambuco, de 2011 a 2020. O ranking abaixo está organizado para as grandes distribuidoras com mais de 400.000 consumidores, mercado superior a 1 TWh. Entre 29 a 35 distribuidoras se enquadram neste critério, dependendo do ano analisado.

ANo 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020
DGC - 0,84 0,99 1,11 0,99 0,89 1,01 0,77 076 0,82
Rank 26º 24º 27º 19º 17º 23º 14º 12º 18º

 

No caso do consumo residencial, o que se verifica na prática é que os valores apurados, que estão contidos na fatura mensal das empresas, não correspondem aos valores reais que o consumidor constata. Por exemplo, no tempo de duração das interrupções ocorridas no mesmo mês, e na quantidade de interrupções que acontecem mensalmente. Sugiro ao leitor registrar durante o período mensal estes valores, e depois comparar com os valores apurados pela própria companhia, e que vem registrado na fatura que recebe. Com certeza encontrará divergências.

Mas acontecendo isso, a quem devemos reclamar? A empresa obviamente. Todavia estas reclamações seriam mais efetivas se houvesse uma associação de consumidores. Assim as reclamações não seriam individualizadas junto a Companhia.

Contudo estas “entidades participativas” de consumidores existem, para surpresa geral. Você, caro leitor, sabia disso?

Ao invés de associações, existem os Conselhos de Consumidores de Energia Elétrica. Foram criados pela Lei nº 8.631/93, que determinou às concessionárias a criarem estas referidas entidades. O Decreto nº 2335/97 foi que definiu que competia à ANEEL estimular a organização dos Conselhos de Consumidores. 

Segundo o site da Aneel, “os Conselhos são órgãos sem personalidade jurídica, de caráter consultivo, formado por representantes das principais classes das unidades consumidoras (residencial, rural, poder público, comercial e industrial), com a incumbência de opinar sobre assuntos relacionados à prestação do serviço público de energia elétrica, conforme definido pela ANEEL na Resolução 451/2011”. Ainda está definido que “compete aos Conselhos, dentre outras atribuições, manifestar-se formalmente acerca das tarifas e da qualidade do fornecimento de energia elétrica da respectiva distribuidora, bem como esclarecer a sociedade sobre os direitos e deveres inerentes à contratação do serviço”. 

Portanto, a priori, o Conselho poderia/deveria ser acessado pelo consumidor para suas reclamações e/ou demais questões relativas às suas faturas, aos serviços prestados pela distribuidora, entre outras. Enfim, as questões ligadas ao fornecimento de energia elétrica.

Em Pernambuco, o Conselho de Consumidores de Energia Elétrica (http://www.conselhope.com.br) está localizado no próprio prédio da distribuidora, e sua secretaria executiva é comandada por funcionário da própria empresa.

É importante salientar que existe uma insatisfação geral do consumidor residencial em relação às empresas distribuidoras de energia elétrica, praticamente 100% nas mãos do setor privado; não somente com relação às tarifas astronômicas, mas também com a qualidade dos serviços fornecidos. Os conselhos não funcionam no atendimento destas demandas. Os Procons estaduais têm suas limitações. Então, como defender seus direitos, já que os deveres são prontamente cobrados pela empresa?

Talvez reclamar ao bispo de Itu?

Visualizações:
109
Compartilhar

Título Notícias Humanitas

Publicador de Conteúdos e Mídias

pao_mesa.jpg

Curso de extensão: Pão em todas as mesas

O Instituto HUmanitas Unicap, em parceria com o Curso de Teologia e a Escola de Educação em Humanidades da Unica, promove o Curso de Extensão: Pão em...

O Instituto HUmanitas Unicap, em parceria com o Curso de Teologia e a Escola de Educação em Humanidades da Unica,...

energia eolica.jpg

Por que não discutir os impactos socioambientais dos negócios do vento?

A energia eólica, aquela que produz energia elétrica pela força dos ventos, tem crescido em vários países do mundo, em particular no Brasil, na região...

A energia eólica, aquela que produz energia elétrica pela força dos ventos, tem crescido em vários países do mundo,...

impactos_racismo.jpg

Momento Gerontológico: os impactos do racismo estrutural nas pessoas negras 60+

11 de maio de 2022 Palestrante Profa. Dra. Valdenice José Raimundo (Pró-reitora de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação)   Mediador: Prof....

11 de maio de 2022 Palestrante Profa. Dra. Valdenice José Raimundo (Pró-reitora de Pesquisa, Pós-graduação e...

religioes_natureza.jpg

Curso de Extensão: As religiões e a Natureza

Re-ligar o humano com a Natureza em prol da Ecologia Integral e da Justiça Socioambiental. Percebendo a necessidade de aprofundarmos nosso sentir-pensar e...

Re-ligar o humano com a Natureza em prol da Ecologia Integral e da Justiça Socioambiental. Percebendo a necessidade...